Resistência de união entre cerâmica dissilicato de lítio processada por diferentes métodos e cimento resinoso sob diferentes tratamentos de superfície da cerâmica

Por Administrador

Edição V16N03 | Ano 2019 | Editorial Artigo de Pesquisa | Páginas 76 até 93

Anália Gabriella Borges Ferraz, Ana Maria Spohr, Mariá Cortina Bellan, Benito André Silveira Miranzi, Luis Henrique Borges, Saturnino Calabrez-filho e Gilberto Antônio Borges.

Objetivo: avaliar o efeito de diferentes trata- mentos de superfície e o processamento de uma cerâmica à base de dissilicato de lítio sobre a resistência de união e características interfaciais com um cimento resinoso fotoativado. Material e Métodos: foram confeccionados 20 blocos prensados (IPS e.max Press) e 20 na técnica CAD/CAM (IPS e.max CAD) (10 mm de diâmetro x 1 mm de espessura). Cada tipo de processamento foi dividido em quatro grupos (n = 5), de acordo com o tipo de tratamento de superfície, totalizando oito grupos experimentais: NT = sem tratamento de superfície; HFS = 10% de ácido fluorídrico (HF) e aplicação de silano; HFU = HF 10% e adesivo universal; e EP = aplicação de primer. Após o preparo, as amostras foram armazenadas em água destilada por 24h a 37 °C e submetidas ao teste de resistência de união. Os valores de resistência de união, em MPa, foram analisados pelos testes t de Student, Kruskal-Wallis e Student-Newman-Keuls (p > 0,05), imagens em microscopia eletrônica de varredura (MEV) foram realizadas para análise qualitativa do padrão de fratura, após o teste de resistência de união, e espécimes foram fabricados para análise da interface cimento/cerâmica. Resultados e Conclusão: os tratamentos HFU (16,8 ± 3,51 MPa) e EP (12,9 ± 3,05 MPa) apresentaram os melhores valores de resistência de união para cerâmicas prensadas, sendo estatisticamente melhores do que HFU e EP de cerâmicas CAD/CAM. Entre as cerâmicas CAD/CAM, os melhores valores foram apresentados pelo tratamento HFS (8,17 ± 4,8 MPa), que é estatisticamente similar ao HFS prensado (5,92 ± 3,51 MPa). Apenas os grupos NT apresentaram falhas/gaps na interface cerâmica/cimento e padrão de fratura adesiva em MEV. Os demais grupos apresentaram um padrão de fratura mista, sem significativas falhas/gaps na interface cerâmica/ cimento. Os tratamentos HFU e EP mostraram-se os melhores para as cerâmicas prensadas; e os HFS e HFU, para as cerâmicas CAD/CAM. Imagens SEM não mostraram diferenças significativas entre os tipos de tratamento de superfície, exceto NTs.

Cerâmica, Cimento resinoso, Resistência de cisalhamento, CAD-CAM,

Ferraz AGB, Spohr AM, Bellan MC, Miranzi BAS, Borges LH, Calabrez-Filho S, Borges GA. Bond strength between a lithium disilicate ceramic processed by different methods and a resin cement under different ceramic surface treatments. J Clin Dent Res. 2019 Sep-Dec;16(3):76-93.