Cobertura hidrófoba de PMMA de uso odontológico

Por Administrador

Edição V15N02 | Ano 2018 | Editorial Artigo Original | Páginas 148 até 157

Camila Gonçalves Duarte, Marina da Rosa Kaizer, Lisia Lorea Valente, Giana da Silveira Lima, Rafael R, Moraes

Introdução: o propósito do presente estudo foi preparar e aplicar soluções de cobertura antiaderente para substratos protéticos à base de polimetacrilato de metila (PMMA). Foram confeccionados discos de PMMA termopolimerizável para micro-ondas (diâmetro 10mm × espessura 2mm). Métodos: duas soluções hidrófobas foram utilizadas para o recobrimento: SH1 = 2,5 vol% de hexadecil-trietóxi-silano em etanol; e SH2 = 2,5 vol% de perfluorodecil-trietóxi- silano diluído em dimetilsulfóxido. Os discos de PMMA foram divididos em três grupos, de acordo com o tratamento da superfície: controle (sem cobertura), SH1 e SH2, sendo todos os grupos subdivididos em espécimes jateados (J) e não jateados (NJ). Além desses, um subgrupo adicional foi inserido como referência, no qual espécimes jateados foram recobertos por solução de silano convencional (2,5 vol% de metacriloxipropil-trimetóxi-silano) diluído em dimetilsulfóxido. Cada subgrupo (n = 5) foi submetido à avaliação do ângulo de contato ( , em graus) com a água destilada e à avaliação da rugosidade de superfície (Ra, em m). Dados do ângulo de contato foram submetidos à análise de variância (ANOVA) de duas vias e teste de SNK (cobertura×tratamento). Ainda, os grupos jateados (controle, SH1, SH2 e silano convencional) foram submetidos à ANOVA de uma via e teste SNK. Dados de rugosidade antes e após jateamento foram comparados pelo teste t de Student pareado ( = 0,05). Resultados: as médias ± desvio-padrão apresentadas para o foram: C-J = 88,7 ± 9,3o; C-NJ = 61,1 ± 5,2o; SH1-J = 114,7 ± 3,3o; SH1-NJ = 95,2 ± 6,8o; SH2-J = 106,9 ± 2,6o; SH2-NJ = 106,4 ± 4,2o; SS-J = 89,4 ± 4,3o. A avaliação da rugosidade demonstrou Ra_antes = 0,80 ± 0,04 m e Ra_depois = 1,78 ± 0,11 m. O tipo de tratamento (jateamento ou não) foi dependente do tipo de solução utilizada (p < 0,001). Os espécimes jateados mostraram maior do que os não jateados (p < 0,001). As soluções hidrófobas de cobertura aumentaram de com a água. Conclusão: a avaliação da rugosidade superficial e do ângulo de contato dos espécimes revelou que os tratamentos de superfície testados, com jateamento e aplicação das coberturas hidrófobas, apresentaram efeito sinérgico no aumento dos valores do ângulo de contato, sugerindo uma superfície menos propicia ao molhamento.

Duarte CG, Kaizer MR, Valente LL, Lima GS, Moraes RR. Hydrophobic coating of dental PMMA. J Clin Dent Res. 2018 May-Aug;15(2):148-57. DOI: https://doi.org/10.14436/2447-911x.15.2.148-157.oar