‘’A resina sob a óptica da desoclusão.’’ Por que ainda utilizamos resinas em casos complexos, ultrapassando os limites da indicação ou bom senso a favor da paciente

Por Administrador

Edição V14N03 | Ano 2017 | Editorial Clinical Approach | Páginas 34 até 41

José Arbex Filho, Andrea Murta Lott MontAlverne, Flavia Pedrosa Vieira de Melo, Ana Paula de Paiva Gontijo

“Iniciamos a nossa quarta coluna da JCDR (terceira de 2017) com um artigo que relata um caso clínico que merece reflexão. Publicamos, em outros artigos, vários casos mostrando nossa concepção e abordagem clínica em diferentes casos, como, por exemplo, de indicação das resinas compostas em paciente jovem, principalmente em uma finalização ortodôntica, laminados tipo lentes de contato cerâmicas com preparos suficientemente invasivos, o momento correto da transição das resinas para as cerâmicas e, no último artigo, um caso onde o paciente procurou por resina e mostrou-se a ele que as cerâmicas seriam a melhor opção. Agora, enfatizaremos o bom senso e o aspecto extremamente conservador, em trabalho complexo funcional e estético, como fator primordial na decisão sobre qual material utilizar em diferentes situações que podem beneficiar nossos pacientes…”

Como citar: Arbex Filho J, MontAlverne AML, Melo FPV, Gontijo APP. “The resin from the viewpoint of disocclusion.” Why do we still use resins in complex cases, surpassing the limits of indication or common sense in favour of the patient. J Clin Dent Res. 2017 Jul-Sept;14(3):34-41. DOI: https://doi.org/10.14436/2447-911x.14.3-034-041.cli