O momento da transição das resinas compostas para os laminados cerâmicos e as “lentes de contato”

Por Administrador

Edição V14N01 | Ano 2017 | Editorial Clinical Approach | Páginas 30 até 37

José Arbex Filho

A filosofia de trabalho é um dos instrumentos mais importantes no dia a dia de qualquer profissional da Odontologia. Ela advém de nossa formação e experiência profissional ao longo dos anos. Um dos temas mais discutidos na atualidade é quando escolher entre resina composta e cerâmica, como já discutido anteriormente neste mesmo espaço1. Outro ponto questionável e que gera dúvida entre os clínicos é em que momento devemos transitar um caso de resina composta para uma reabilitação cerâmica por meio de laminados. Vamos utilizar um caso clínico para exemplificar a nossa visão de trabalho, indo desde a escolha da resina composta até a decisão de convertê-la em restaurações cerâmicas. Acredito que esse caso representa um pouco da nossa filosofia de trabalho, em que sempre procuramos optar pela melhor alternativa restauradora no momento adequado. A descrição é baseada em um caso interessante de um procedimento estético em uma mulher jovem com 27 anos de idade, na qual transitamos de um trabalho em resina composta, realizado há 11 atrás, para as “lentes” cerâmicas, em 2016.

Arbex Filho J. The timing of transition from composite resins to ceramic laminate veneers and “contact lenses”. J Clin Dent Res. 2017 Jan-Mar;14(1):30-7. DOI: http://dx.doi.org/10.14436/2447-911x.14.1.030-037.cli