Efeito citotóxico de agentes clareadores na polpa: um estudo in vivo

Por Administrador

Edição V12N04 | Ano 2015 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 92 até 99

Cassiana Koch Scotti, Carla Renata Sipert, Wagner Baseggio

Objetivo: o presente estudo se propôs a avaliar as alterações histológicas do tecido pulpar após a utilização de diferentes técnicas clareadoras. Métodos: em um estudo tipo boca dividida, pré-molares de 40 pacientes foram clareados com peróxido de carbamida a 10% e a 16%, e peróxido de hidrogênio a 38%, com e sem aplicação de luz. Os pacientes foram aleatoriamente divididos em quatro grupos: Grupo 1 (G1) = pré-molares clareados com peróxido de carbamida a 10%, por 14 dias; Grupo 2 (G2) = pré-molares clareados com peróxido de carbamida a 16% por 14 dias; Grupo 3 (G3) = pré-molares clareados com peróxido de hidrogênio a 38% em três aplicações de 15 minutos; Grupo 4 (G4) = pré-molares clareados com peróxido de hidrogênio em três aplicações de 15 minutos, com 3 minutos de ativação luminosa — o grupo controle foi composto pelos dentes contralaterais. Após o tratamento, os dentes foram extraídos, limpos, as raízes foram seccionadas na porção mais apical e armazenados em formalina tamponada a 10% neutral. Os dentes foram preparados para a análise histológica e os dados foram submetidos à análise estatística. Resultados: o G1 mostrou não haver mudanças significativas na polpa dentária; G2 demonstrou inflamação moderada, enquanto no G3 e G4 observou-se inflamação de moderada a severa. Conclusão: em conclusão, as técnicas de clareamento empregando altas concentrações de peróxido de hidrogênio se mostraram mais agressivas para a polpa dentária.

Scotti CK, Sipert CR, Baseggio W. Efeito citotóxico de agentes clareadores na polpa: um estudo in vivo. Rev Dental Press Estét. 2015 out-dez;12(4):92-9.