Comparação de matizes em diferentes marcas comerciais de resina composta

Por Administrador

Edição V09N04 | Ano 2012 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 114 até 120

Bárbara Monteiro Pessôa, Antônio Fernando Monnerat, Hugo de Andrade Filho, Cesar dos Reis Perez, Marianna Sorozini Ferreira de Miranda, Bruno Dias Pinto

Introdução: a seleção de cor é um processo complexo, influenciado por muitas variáveis. Esse estudo analisou comparativamente a cor de quatro resinas compostas A2 de diferentes marcas comerciais, entre si e entre as resinas, e pela escala Vita Classical avaliou-se se essa diferença é captável pelo olho humano. Métodos: foram confeccionados seis corpos de prova para cada resina composta de cor A2 utilizada: Amelogen (grupo 1), Filtek Supreme (grupo 2), Estelite (grupo 3) e Point 4 (grupo 4). Foi realizada, subsequentemente, análise por fotografia e pelo sistema CIE Lab de cada corpo de prova e da palheta da escala de cor Vita Classical. Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística pelos métodos One Way ANOVA e de Tukey HSD. Resultados: houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos 2 e 4 (p<0,05). A resina Point 4 obteve os resultados mais próximos aos da palheta A2 da escala Vita Classical, embora seja uma variação clinicamente inaceitável. A resina Filtek Supreme apresentou os resultados mais discrepantes em relação à escala. As resinas Amelogen e Estelite não apresentaram resultados satisfatórios, mas se aproximaram mais da resina Point 4. Conclusões: ao serem analisadas resinas compostas de uma mesma cor, facilmente são encontradas discrepâncias, tanto entre diferentes amostras da mesma resina como em marcas comerciais distintas, além das divergências presentes entre a resina e a palheta de mesma cor da escala. Sendo assim, aumenta-se a dificuldade para confecção de uma restauração estética pelo profissional.