Tratamento minimamente invasivo em caso de hipoplasia de esmalte: relato de caso

Por Administrador

Edição V09N03 | Ano 2012 | Editorial Caso Clínico | Páginas 98 até 105

Aline Estades Bertelli, Renata Franzon, Fernando Borba de Araujo, Dario Augusto Oliveira MIRANDA

O aparecimento de crianças com defeitos na formação do esmalte é uma rotina em consultórios odontopediátricos. Portanto, suas causas, diagnóstico e tratamento são de grande importância na prática clínica. Estudos dessas patologias são vistos em várias áreas da Odontologia, citando inúmeras causas e tratamentos propostos. Nesse estudo, abordou-se um relato de caso de tratamento estético minimamente invasivo de hipoplasia de esmalte. Ela se apresentou com coloração amarelo-castanha, em um dente anterossuperior permanente. A criança possuía 9 anos de idade, com histórico de trauma no dente decíduo subjacente (dente 61), envolvendo luxação intrusiva do dente aos 3 anos de idade, sendo essa a provável causa do defeito do esmalte no seu sucessor permanente (dente 21). Para tanto, um tratamento restaurador sem desgaste de esmalte foi feito com uso de corantes e resinas compostas, utilizando a técnica incremental, mascarando completamente a lesão hipoplásica subjacente, sem necessidade de microabrasão ou desgaste para obtenção de tratamento restaurador estético satisfatório.