Qual é a sua opinião sobre utilizar ou não utilizar em sua rotina clínica a clorexidina como etapa adicional quando empregados sistemas adesivos convencionais de duas ou três etapas clínicas?

Por Administrador

Edição V09N03 | Ano 2012 | Editorial Ponto de Vista | Páginas 32 até 36

Alberth D, Correa-Medina, Maria Carolina Guilherme Erhardt

(Por Alberth D. Correa-Medina) Essa questão é complexa para responder, pois alguns pontos ainda estão em discussão, tais como: a) as razões que indicam o uso de clorexidina; b) se utilizada, em que momento do procedimento adesivo é melhor, antes ou depois do condicionamento ácido?; e c) pode ser utilizada com sistemas adesivos convencionais e autocondicionantes? A clorexidina, em concentrações menores que 1%, tem ação bacteriostática, provocando danos na membrana e perda de substâncias de baixo peso molecular, tais como potássio e íons de flúor, embora não produza a morte bacteriana. Entretanto, em concentrações superiores a 1% causa coagulação e precipitação do citoplasma, produzindo morte celular, sendo altamente bactericida. Essa substância age sobre gram-positivos e negativos aeróbios e anaeróbios. Tem várias aplicações e, na área da Odontologia Restauradora, tem sido indicada para a limpeza de cavidades antes que sejam restauradas, porque proporciona desinfecção adequada dos tecidos dentários. Em lesões cariosas em que toda estrutura infectada tenha sido removida, indicava-se aplicar essa solução como uma forma de assegurar a remoção completa de restos de organismos que poderiam ficar presentes na cavidade. […]