Aplicação de sistemas adesivos nas diferentes profundidades do substrato dentinário: revisão de literatura

Por Administrador

Edição V09N03 | Ano 2012 | Editorial Artigo de Revisão | Páginas 118 até 125

Renata Rombaldi dos Santos Zolet, Enrico Coser Bridi, Fabiana Mantovani Gomes França, Flávia Lucisano Botelho do Amaral, Cecília Pedroso Turssi, Roberta Tarkany Basting

O desenvolvimento dos sistemas adesivos possibilitou maior conservação da estrutura dentária remanescente sadia, sendo essa a conquista mais significativa possibilitada pelo uso desse material. Sabe-se, no entanto, que a maioria dos procedimentos restauradores envolve o substrato dentinário que possui morfologia e fisiologia diferente do esmalte. Essas diferenças acarretaram no desenvolvimento de diversas gerações de adesivos dentinários, incluindo os que removem a smear layer, bem como aqueles que eliminam a etapa do condicionamento ácido da superfície a ser tratada, empregando-se os sistemas autocondicionantes. Esse trabalho teve por objetivo revisar a literatura sobre os sistemas adesivos, enfocando sua aplicabilidade nos diferentes substratos dentários. Foi observado que a variabilidade do substrato dentinário pode influenciar negativamente a adesão à dentina ao se utilizar sistemas adesivos convencionais; o uso de um forrador cavitário contribui para proteção pulpar em cavidades profundas, além de eliminar os problemas decorrentes das falhas de adesão devido à umidade das paredes pulpares e/ou axiais ao se utilizar sistemas adesivos convencionais. A profundidade do substrato dentinário não influencia a resistência de união quando sistemas adesivos autocondicionantes são empregados.