Os nomes da dentina: critérios e coerência no seu emprego

Por Administrador

Edição V09N02 | Ano 2012 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 122 até 133

Alberto Consolaro, Renata Bianco Consolaro, Leda A, Francischone

Na comunicação científica, acadêmica e clínica, os termos para se identificar alguns estados em que se encontra a dentina são utilizados de forma confusa, dificultando a compreensão dos seus verdadeiros significados. No entanto, podem ser perfeitamente compreendidos desde que se adote critérios taxonômicos coerentes. Assim, pode-se classificar e nominar a dentina de acordo com os critérios: 1. cronologia de formação da dentina, em: a) primária, b) secundária e c) terciária; 2. natureza do estímulo ou agressão, estrutura e organização, em: a) fisiológica, b) reacional/de irritação/ou secundária patológica, c) reparadora e d) displásica; 3. estado da luz dos túbulos dentinários, em: a) dentina esclerosada, ou esclerose dentinária, e b) tratos mortos da dentina.