Na sua rotina clínica você prefere indicar resina composta ou porcelana para realizar restaurações tipo inlay/onlay?

Por Administrador

Edição V09N01 | Ano 2012 | Editorial Ponto de Vista | Páginas 28 até 31

Fernando Mandarino, Juliana Nunes Rolla

Nossa profissão vive, atualmente, uma era de transição, com o desenvolvimento de novos materiais e técnicas, fazendo com que os procedimentos tradicionais sejam não só questionados, mas muitas vezes abandonados. Essa rápida evolução nos obriga a uma atualização contínua na procura de novos caminhos em busca de um produto “ideal”.
Nessa busca de novos valores, a sociedade passou a dar grande importância à estética do sorriso, não mais desejando ter em seus dentes restaurações metálicas consagradas, realizadas com ouro ou amálgama de prata — preferindo, na maioria das vezes, materiais estéticos como as porcelanas e os polímeros, que possuem excelentes propriedades ópticas que lhe conferem grande beleza (qualidades que as restaurações metálicas não possuem e que satisfazem os padrões de desejos de nossos pacientes). Assim, o desafio de comentar a respeito de um tópico tão complexo e polêmico me deixa bastante motivado, mas também preocupado, pois, sem sombra de dúvidas, esse é um assunto que desperta grande interesse em nossa comunidade.