Estética e epigenética: os genes não comandam todos os eventos!

Por Administrador

Edição V09N01 | Ano 2012 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 126 até 134

Alberto Consolaro

A epigenética representa o conceito mais atual para explicar as variações anatômicas, funcionais e estéticas quando o conjunto dos genes não consegue justificá-las de forma coerente, tal como características diferentes em gêmeos univitelinos. Os fatores ambientais para as células, tecidos e o corpo podem, bioquimicamente, ativar e desativar genes sem modificar sua estrutura e posição nos cromossomos. A epigenética difere da mutação genética, pois nessa última há mudança molecular dos nucleotídeos e os genes ficam modificados estruturalmente. Na epigenética, os fatores ambientais podem acionar ou inibir, bioquimicamente, os genes, sem alterá-los. A epigenética interfere na manifestação fenotípica das estruturas como forma, tamanho, cor e posição dos dentes, assim como dos maxilares. Entre os fatores epigenéticos, há os nutrientes, medicamentos, doenças sistêmicas e locais, fatores físicos como pressão, impacção e muitos outros. Os genes não comandam tudo!