Técnica estrutural: confecção de pilar personalizado cerâmico para otimizar a estética

Por Administrador

Edição V08N04 | Ano 2011 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 58 até 66

Luiz Antônio Borelli BARROS, Érica Dorigatti de Avila, Andréa Affonso Barretto Montandon, Mauricio Meirelles Nagle, Oscar Fernando Muñoz CháveZ, Francisco de mello junior, Weber Adad RiccI

Na reabilitação protética com implantes, a reconstituição das características anatômicas do tecido peri-implantar é fundamental para a obtenção de uma estética ótima. Como os componentes metálicos não transmitem a luz, fazem com que os pacientes com fenótipos gengivais finos apresentem uma coloração escurecida, resultante da limitação estética desses componentes. Pilares cerâmicos (alumina ou zircônia) têm sido utilizados para resolver esse problema, os quais possibilitam a complementação com próteses metal free. A indústria fornece, para alguns sistemas, componentes pré-fabricados cerâmicos a serem personalizados por desgastes e componentes personalizados confeccionados com sistemas CAD/CAM e CAD/MAN. Tendo em vista as limitações de algumas das conexões desses componentes, o objetivo desse estudo é apresentar a técnica laboratorial para confecção de um pilar personalizado cerâmico realizado sobre pilar UCLA de sobrefundição. Concluiu-se que a utilização da cerâmica feldspática proporciona ótima estética, boa transparência, resistência mecânica, baixo custo, melhor capacidade adesiva, com utilização de cimentos resinosos, e, principalmente, técnica de amplo domínio dos laboratórios.