Reabsorção cervical externa e cárie de colo: diagnóstico diferencial e implicações clínicas

Por Administrador

Edição V08N04 | Ano 2011 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 123 até 134

Alberto Consolaro, Carlos Eduardo Francischone, Renata Bianco Consolaro, Leda A, Francischone

O diagnóstico diferencial entre reabsorções cervicais externas e a cárie de colo deve levar em consideração a radiolucidez homogênea e uniforme e os limites nítidos com a dentina adjacente nas lesões de reabsorção cervical externa. Na cárie de colo, as lesões têm uma radiolucidez na forma de um dégradé decrescente em direção à polpa, com limites difusos na interface com a dentina adjacente. Essa diferença ocorre porque na cárie os tecidos adjacentes são gradativamente desmineralizados pelos ácidos infiltrantes, amolecendo-os progressivamente. Na reabsorção, o processo se faz exclusivamente na interface entre os muitos clastos e a dentina, sem qualquer infiltração de ácidos e enzimas em profundidade, determinando limites nítidos. A identificação das relações causa-efeito também pode auxiliar na diferenciação clínica e radiográfica, assim como as características encontradas na abordagem operatória e restauradora das lesões cervicais, como a relação do tecido gengival com a cavidade formada.