Avaliação da capacidade de selamento marginal do esmalte e da dentina utilizando diferentes tratamentos superficiais

Por Administrador

Edição V07N04 | Ano 2010 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 52 até 59

Renato Baião de Almeida, Alexandre Marques de Resende, Alessandra Paschoalino Machado dos Santos

Para analisar a capacidade de selamento marginal de três sistemas adesivos com diferentes formas de tratamentos superficiais, foram selecionados 45 incisivos bovinos, íntegros e recém-extraídos. Cada dente recebeu um preparo cavitário Classe V no limite cemento-esmalte. Os preparos foram padronizados nas seguintes dimensões: 1,5mm de profundidade e 2,0mm de diâmetro. A margem incisal foi deixada em esmalte e a margem gengival localizada abaixo da junção cemento-esmalte. Os dentes foram divididos em três grupos com 15 dentes cada. No grupo I foi utilizado o Adesivo XP Bond com dentina deixada úmida após condicionamento ácido. O grupo II também teve aplicação do Adesivo XP Bond, sendo que a dentina foi seca após condicionamento ácido. No grupo III o sistema utilizado foi o Adper Single-Bond 2. Todos os dentes foram restaurados com resina composta nanoparticulada Filtek – Z350 (3M). Em seguida foi realizada a ciclagem térmica em 300 ciclos, e os dentes foram imersos em solução aquosa de azul de metileno 2% por um período de 3 horas. Para avaliação do grau de penetração do corante, foram determinados escores de 0 a 3. A análise da penetração do corante foi realizada e o teste Kruskal-Wallis ao nível de significância de 5% foi aplicado. Em esmalte e em dentina houve diferença entre os grupos, porém a infiltração foi maior na dentina do que no esmalte.