Reabsorção Cervical Externa versus Reabsorção Interna Coronária: diagnóstico diferencial e implicações terapêuticas e estéticas

Por Administrador

Edição V07N03 | Ano 2010 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 128 até 135

Alberto Consolaro, Leda Francischone, Renata Bianco Consolaro, Carlos Eduardo Francischone

A Reabsorção Cervical Externa inicia-se necessariamente na junção amelocementária, mais especificamente nos gaps ou janelas de dentina expostas entre o esmalte e o cemento (Fig. 1 a 4). A Reabsorção Interna necessariamente preserva a superfície externa do dente, inclusive a do esmalte e da região cervical, pois representa uma pulpopatia. O processo tem o sentido de dentro para fora (Fig. 5, 6).