Evolução do reparo pulpar e apical de dentes com rizogênese incompleta e os conceitos de apicegênese e apicificação

Por Administrador

Edição V06N04 | Ano 2009 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 126 até 133

Alberto Consolaro, Roberto Miranda Esberard

Este artigo representa o segundo de uma série sobre a biopatologia pulpar e suas implicações no diagnóstico, planejamento e prognóstico da estética na Odontologia em seu sentido mais amplo. Tipos de evolução do reparo pulpar e apical de dentes com rizogênese incompleta Uma vez completada a formação da coroa e definida a presença ou não de bi ou trifurcação das raízes a partir da alça cervical do órgão do esmalte e da invaginação horizontal do diafragma epitelial, a papila dentária em íntima associação com a bainha epitelial de Hertwig e com o folículo dentário assumirão as funções de “órgão formador da raiz dentária”, como foi chamada por muitos anos.