Otimizando a cimentação de facetas de porcelana

Por Administrador

Edição V06N03 | Ano 2009 | Editorial Caso Clínico | Páginas 96 até 105

Glauco Rangel Zanetti, Liliane Scheidegger Da Silva Zanetti, Marcelo Massaroni Peçanha, Fausto Frizzera Borges Filho, Gabriela Cassaro De Castro

O estabelecimento da união entre o esmalte dentário e compostos resinosos ou cerâmicos levou ao crescente uso de restaurações com esses materiais, em particular das chamadas “facetas de porcelana”. Além da alta qualidade estética, permitindo mimetizar a forma e a cor do elemento dentário, as porcelanas são menos predispostas ao desgaste, ou seja, mais resistentes à abrasão, manchas e infiltração marginal. Porém, por se tratar de uma peça extremamente delicada e de pequena espessura, sua cimentação se torna um ponto crucial para o sucesso. Sendo assim, a coloração, viscosidade e manipulação do cimento são características que devem ser analisadas e consideradas, com cautela, previamente à realização do procedimento. A utilização de uma resina flow para esse propósito tem sido indicada na literatura, pois esse tipo de material apresenta excelentes propriedades físicas e mecânicas, que vêm a facilitar sua cimentação. Neste artigo, a resina flow será apresentada como material substituto ao cimento resinoso dual, ou de polimerização química, na cimentação de facetas, por meio de um caso clínico, exibindo sua praticidade e versatilidade como material restaurador.