Clareação de dentes polpados em consultório com e sem condicionamento ácido prévio do esmalte: relato de caso clínico

Por Administrador

Edição V06N02 | Ano 2009 | Editorial Caso Clínico | Páginas 42 até 51

Rafael Francisco Lia Mondelli, Cristiane Machado De Almeida, Fabiane Lopes Toledo, César Antunes De Freitas, Sérgio Kiyoshi Ishikiriama

Este caso clínico avaliou o efeito do condicionamento prévio do esmalte com ácido fosfórico a 37%, na clareação em consultório realizada com gel de peróxido de hidrogênio a 35% e ativado com fonte de luz híbrida (led + laser terapêutico), em função da efetividade, tempo de tratamento e grau de mudança de cor. Após avaliação inicial, exame clínico e profilaxia supragengival completa, a cor foi avaliada visualmente com escala VITA Bleachedguide 3D-MASTER (VITA), quantitativamente com espectrofotômetro VITA Easyshade (VITA) e foi realizada a documentação fotográfica digital (Nikon D70s). Para efeito de comparação, apenas os hemiarcos do lado direito receberam o condicionamento ácido prévio por 15 segundos. O gel clareador foi manipulado e aplicado sobre os dentes e, após 1 minuto, o gel foi ativado com luz híbrida durante 3 minutos. Após 1 minuto, nova ativação com luz por mais 3 minutos foi realizada. A princípio, 4 aplicações do gel foram realizadas, mas, ao final dessas, pôde-se observar que o grau de mudança de cor dos dentes nos hemiarcos do lado direito era maior que do lado esquerdo. Uma quinta aplicação foi realizada somente nos hemiarcos superior e inferior esquerdos. Pôde-se observar no hemiarco direito, no qual se realizou o ataque ácido, uma redução do número de aplicações do gel clareador. O paciente não relatou sensibilidade durante e após a clareação (24 horas e 1 semana). Após 1 semana, pôde-se verificar a efetividade da técnica em consultório empregada, além da efetividade do condicionamento ácido prévio na aceleração do procedimento clareador.