Considerações sobre o planejamento e confecção de facetas diretas em resina composta

Por Administrador

Edição V05N02 | Ano 2008 | Editorial Caso Clínico | Páginas 96 até 109

Renata Corrêa Pascotto, Margareth Calvo Pessuti Nunes, Guilherme Boselli

A realização de facetas vestibulares diretas em resina composta tem sido uma alternativa rotineiramente utilizada na clínica odontológica quando há necessidade de restaurar dentes anteriores com alteração de cor ou forma anatômica. Além de representarem um recurso valioso dentro da Odontologia Estética, uma vez que requerem um preparo conservador, apresentam menor custo quando comparadas às técnicas indiretas, estando, assim, ao alcance de todos os profissionais da área odontológica. A realização de uma faceta direta em resina composta requer do profissional que pretende executá-la o conhecimento das propriedades mecânicas e ópticas dos compósitos, bem como das técnicas restauradoras atualmente disponíveis. Além disso, é fundamental que se tenha habilidade manual e familiaridade com os detalhes anatômicos específicos da superfície vestibular dos dentes anteriores, a fim de que eles possam ser reproduzidos com naturalidade na restauração. O objetivo do presente trabalho é discutir aspectos importantes no planejamento, bem como na técnica de preparo e confecção, das facetas diretas em resina composta, procurando orientar o clínico na decisão e realização dessa modalidade de tratamento restaurador.