Influência do solvente dos sistemas adesivos e do vácuo na resistência à microtração em esmalte pós-clareação

Por Administrador

Edição V05N02 | Ano 2008 | Editorial Artigo de Pesquisa | Páginas 119 até 129

Raquel Laia Rocha, Carlos Francci, Antonio Carlos Lascala, Heraldo Riehl

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da composição do sistema adesivo e do vácuo na resistência à microtração ao esmalte bovino pós-clareação. Trinta e dois incisivos bovinos tiveram suas coroas seccionadas longitudinalmente em duas metades, uma (teste) foi clareada (Whiteness HP 35%, FGM) e a outra (controle) não. Os dentes foram distribuídos em 4 grupos (n = 8). Os grupos 1 e 3 foram tratados em vácuo por uma hora e os grupos 2 e 4 não. Nos grupos 1 e 2 foi aplicado o adesivo Single Bond 2 (3M ESPE), e nos grupos 3 e 4 o Prime & Bond 2.1 (Dentsply), sendo todos recobertos com a resina TPH (Dentsply). As interfaces compósito/esmalte foram seccionadas para se obter “palitos” com área de ±0,8mm2, que foram submetidos ao teste de microtração (0,6mm/min). Os valores obtidos foram submetidos à ANOVA de três entradas (vácuo ou não, clareação ou não e adesivo Single Bond 2 ou Prime & Bond 2.1). Os fatores adesivo (p = 0,925) (Prime & Bond 2.1 = 31,86 ± 7,54; Single Bond 2 = 32,03 ± 6,78) e vácuo (p = 0,568) (com = 31,42 ± 6,82; sem = 32,47 ± 7,49) não foram estatisticamente significativos, sendo o fator clareação significativo (p menor que 0,001) (com = 26,45 ± 6,13; sem = 37,45 ± 8,19), mas as interações não. Conclui-se que, de uma maneira geral, os sistemas adesivos testados apresentaram a mesma resistência adesiva; que a clareação diminuiu a resistência adesiva para ambos os sistemas adesivos, independente de seus solventes; e que a utilização ou não de vácuo não afetou a resistência adesiva.