Resistência à microtração de pinos de fibra de vidro em função do tratamento de superfície

Por Administrador

Edição V03N01 | Ano 2006 | Editorial Artigo de Pesquisa | Páginas 83 até 88

Aloísio Oro Spazzin, Daniel Galafassi, Régis Sartori, Bruno Carlini Júnior

Este estudo in vitro avaliou a resistência à microtração de pinos pré-fabricados de fibra de vidro submetidos a diferentes métodos de preparo de superfície. Foram selecionados 40 pinos de fibra de vidro seccionados na metade do comprimento. As secções dos pinos foram refixadas com sistema adesivo fotopolimerizável e cimento resinoso dual. Para o correto posicionamento das extremidades do pino, foi utilizado um suporte metálico em forma de canaleta. Antes da aplicação do sistema adesivo, as extremidades receberam os seguintes tratamentos: GI – (controle) sem tratamento prévio; GII – silano; GIII – condicionamento com ácido fosfórico 37%; GIV – jato com óxido de alumínio (50µm); GV – ácido + silano; GVI – jateamento + ácido; GVII – jateamento + silano; GVIII – jateamento + ácido + silano. Após a união das extremidades os pinos foram fixados ao suporte da máquina universal de ensaios (0,5mm/min e célula de carga de 5kgF) e submetido ao teste de microtração. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste Duncan (a = 5%), que demonstrou diferença estatística quando foram comparados grupos com silano vs grupos sem silano. Outras interações não demonstraram diferença estatística. Foi possível concluir que a silanização ou a associação deste tratamento com outros tratamentos resultaram em um aumento da resistência de união, comparada a dos grupos onde o silano não foi utilizado.