Avaliação comparativa da translucidez do esmalte dentário e de resinas compostas para esmalte

Por Administrador

Edição V02N03 | Ano 2005 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 20 até 32

Milko Villarroel, Ronaldo Hirata, Andrea Maria De Sousa

Devido à exigência estética, a Odontologia Restauradora visa imitar as características naturais do dente humano e, por esta razão, muitas resinas compostas de última geração proporcionam, entre suas características ópticas, uma translucidez similar à dentição natural. Este trabalho avaliou e comparou a translucidez do esmalte dentário e de nove resinas compostas para esmalte. Foram confeccionados cinco corpos de prova mediante uma matriz metálica quadrangular para cada grupo, sendo eles: GI (controle) – esmalte dentário, GII – Esthet X YE, GIII – 4 Seasons enamel super clear, GIV – Miris NT, GV – Vitalescence™ TM, GVI – FiltekTM A110 A2E, GVII – Concept® A2Be, GVIII – Amelogen PF-A, GIX – FiltekTM Supreme B1E e GX – 4 Seasons enamel clear. O teste para avaliação de translucidez foi realizado pelo aparelho espectrofotômetro de transmissão e absorção FTIR 8400 – Shimadzu. Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística pelo teste ANOVA (Bonferroni) com nível de significância de 5% (p menor que 0,05). Os resultados demonstraram que os valores de translucidez de resinas compostas para esmalte apresentaram grande variação entre os grupos. De acordo com a metodologia utilizada, concluiu-se que existem diferentes graus de translucidez entre as resinas estudadas e que os grupos GIII, GIV, GVIII e GX apresentaram uma translucidez estatisticamente semelhante a do grupo GI. O maior e menor grau de translucidez foi atribuído ao grupo GV e GVI respectivamente, obtendo ambos diferenças significantes quando comparados ao grupo controle.