Há vida no esmalte: metabolismo e circulação própria

Por Administrador

Edição V02N01 | Ano 2005 | Editorial Biologia da Estética | Páginas 133 até 135

Alberto Consolaro

Filósofos e cientistas em todos os tempos e gerações, questionam, discutem e por fim nada concluem sobre o conceito de vida. A discussão é interminável. Em áreas mais específicas como a Biologia e Microbiologia ainda se discute: o vírus representa uma forma de vida? Algumas perguntas são formuladas como condição para uma reposta: ele tem uma circulação própria? Tem metabolismo próprio? Se renova estruturalmente de tempos em tempos? A resposta para estas perguntas é não e logo se afirma: então vírus não tem vida própria.