Remodelação óssea e os planejamentos reabilitadores bucais com mini-implantes e miniplacas: algumas analogias para facilitar a compreensão

Por Administrador

Edição V09N03 | Ano 2015 | Editorial Expedientelicações e Aplicações | Páginas 15 até 37

Alberto Consolaro

Os ossos renovam-se constantemente e o turnover permite uma grande capacidade de adaptação a novas demandas físicas e metabólicas. A renovação óssea é completa em 4 a 5 anos no esqueleto do adulto jovem, comportando-se no dia a dia como o poeta disse “… prefiro ser uma metamorfose ambulante!”. No simples movimento ortodôntico, na colocação de um implante osseointegrável, na aplicação do aparelho ortopédico, no movimento dentário com ganho de osso ou mudança de forma pela ancoragem em mini-implantes, e quer seja na transmissão longínqua de forças com base na ancoragem oferecida pela miniplacas, os osteócitos estão implicados, com sua rede tridimensional, no controle do design ósseo, por coordenarem a atividade de seus comandados nas superfícies trabeculares e corticais: os osteoblastos e os clastos. Compreender a biologia óssea e a remodelação constante do esqueleto permite atuar com segurança e precisão nos planejamentos reabilitadores dos pacientes e aumenta, também, as possibilidades de tipos de intervenção para devolver a estética e função a eles.

Consolaro A. Bone remodeling and oral rehabilitation plans with mini-implants and mini-plates: a few analogies to facilitate understanding. Dental Press Implantol. 2015 July-Sept;9(3):15-37. DOI: http://dx.doi.org/10.14436/2358-2553.9.3.015-037.exp