Avaliação histológica do reparo de defeitos ósseos de tamanhos críticos tratados com enxerto xenógeno em ratos induzidos ao hipotireoidismo

Por Administrador

Edição V07N04 | Ano 2013 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 75 até 84

Almiro de Almeida Vasconcelos Neto, Maria Isabel Pereira Vianna, Luciana Maria Pereira Ramalho, Gardênia Matos Paraguassu, Dario Augusto Oliveira Miranda

O objetivo do presente trabalho foi avaliar o reparo de defeitos de tamanho crítico comparando animais saudáveis, com hipotireoidismo e com ou sem enxerto ósseo (Bio-Oss Geistlich Pharma AG, Wolhusen, Suíça), e em dois tempos de morte (30 e 60 dias). Foram utilizados 42 animais da linhagem Wistar, distribuídos em dois grupos: Grupo 1 Eutireoideo, sem enxerto 30 dias (G1E30); Eutireoideo, sem enxerto 60 dias (G1E60); Hipotireoidiano, sem enxerto 30 dias (G1H30); e Hipotireoidiano, sem enxerto 60 dias (G1H60); e Grupo 2 Eutireoideo, com enxerto 30 dias (G2E30); Eutireoideo, com enxerto 60 dias (G2E60); Hipotireoidiano, com enxerto 30 dias (G2H30) e Hipotireoidiano, com enxerto 60 dias (G2H60). Os animais com hipotireoidismo foram induzidos por meio da diluição do propiltiouracil (PTU) na água de beber dos ratos. Foram confeccionados defeitos de tamanho crítico por meio de brocas trefinas na calvária desses animais, e posterior tratamento para confecção de lâminas, avaliação histológica e testes estatísticos. Um intervalo de confiança de 95% (p < 0,05) foi empregado. Os resultados encontrados revelaram que não houve diferença estatisticamente significativa no reparo cortical entre os animais hipotireoidianos e eutireoidianos nos dois tempos propostos, entretanto, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nos cruzamentos de 30 x 60 dias (G1E60 > G1E30; p = 0,01, G1H60 > G1H30; e p = 0,01, G2h60 > G2H30). A formação ao redor da partícula do enxerto não foi estatisticamente diferente na avaliação dentro do mesmo tempo de morte, contudo os animais com hipotireoidismo apresentaram uma formação associada à partícula estatisticamente maior ao final de 60 dias de reparo (G2H60 > G2H30 p=0,03). Diante dos achados, pode-se concluir que a condição sistêmica de hipotireoidismo pareceu não influir de forma significativa no reparo ósseo, e o enxerto pareceu contribuir de uma forma mais positiva para a formação óssea

Vasconcelos Neto AA, Vianna MIP, Ramalho LMP, Paraguassu GM, Miranda DAO. Histological evaluation of critical size bone repair treated with xenogen graft in rats induced to hypothyroidism. Dental Press Implantol. 2013 Oct-Dec;7(4):75-84.