Implantes curtos como alternativa contra procedimentos invasivos: relato de caso

Por Administrador

Edição V05N04 | Ano 2011 | Editorial Caso Selecionado | Páginas 38 até 44

Newton Bergamaschi Lucchiari Júnior, Guenther Schuldt Filho, João Gustavo Oliveira de Souza, Pâmela Cândida Aires Ribas de Andrade, Rodrigo Granato, Marco Aurélio Bianchini

A utilização de implantes curtos (6,0–8,5mm) no tratamento reabilitador vem sendo bastante empregada em locais onde a altura óssea é limitada ou em regiões próximas a estruturas anatômicas importantes. Historicamente, o uso de implantes curtos tem sido associado a menores taxas de sucesso quando comparados com implantes de comprimento convencional. Entretanto, estudos clínicos recentes mostram uma similaridade na taxa de sucesso de implantes curtos e convencionais. Tanto para o clínico quanto para o paciente, esse tratamento apresenta-se como uma alternativa simples e segura, devido à redução dos custos, procedimentos cirúrgicos, morbidade e tempo de tratamento. Devido à similaridade nas taxas de sucesso, a indicação de implantes curtos pode ser feita em praticamente todos os casos, assim substituindo a realização de procedimentos invasivos para reconstrução do volume ósseo. O presente artigo apresenta uma resolução clínica que mostra a utilização de implantes curtos em mandíbula e maxila.