Tecido de granulação e granuloma: dois termos com significados muito diferentes

Por Administrador

Edição V05N04 | Ano 2011 | Editorial Expedientelicações e Aplicações | Páginas 16 até 22

Alberto Consolaro, Franklin Moreira Leahy

A confusão conceitual e o diagnóstico microscópico equivocado são comuns no emprego dos termos tecido de granulação e granuloma. Quando as áreas lesadas estão livres do agente agressor, o tecido de granulação, um tecido quase embrionário, forma-se no local para dar lugar a um novo tecido conjuntivo, restabelecendo-se a normalidade e/ou preenchendo espaços. Por outro lado, a persistência do agressor promove a continuidade da inflamação com macrófagos e células derivadas circunscrevendo-os, limitando sua agressividade. Esses aglomerados de macrófagos ao redor do persistente agressor recebem o nome de granulomas, um sinônimo de inflamação crônica. Apesar da sonoridade parecida, os termos granuloma e tecido de granulação representam fenômenos distintos e não devem ser utilizados como sinônimos nas análises microscópicas, pois isso induz a interpretações equivocadas.