Superfícies biomiméticas — novo paradigma da osseointegração

Por Administrador

Edição V05N03 | Ano 2011 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 42 até 49

Plinio Mendes Senna, Bruno Salles Sotto-Maior, Carlos Eduardo Francischone, Altair Antoninha Del Bel Cury

O sucesso dos implantes está, frequentemente, associado ao processo de osseointegração. Isso leva a uma busca por tratamentos de superfície para que o titânio se torne cada vez mais bioativo e induza a neoformação óssea. O conceito da superfície biomimética surge com o intuito de gerar uma superfície que module positivamente a osseointegração, de modo que o implante apresente capacidade de osteoindução por meio do reconhecimento biomolecular da superfície. A hidroxiapatita e os fosfatos de cálcio foram os primeiro agentes propostos para o biomimetismo da superfície com o tecido ósseo; no entanto, hoje é proposta a utilização de proteínas da matriz extracelular óssea e fatores de crescimento para mimetizar a fisiologia do tecido e aumentar ainda mais a previsibilidade dos implantes. Quando os resultados das pesquisas puderem ser traduzidos em projetos industriais, novas superfícies podem surgir no mercado, garantindo maior segurança para a instalação de implantes em sítios ósseos desfavoráveis e o carregamento oclusal precoce.