Doença periodontal, seus sinais e sequelas: limitações para o tratamento com implantes osseointegrados?

Por Administrador

Edição V04N03 | Ano 2010 | Editorial Artigo de Revisão | Páginas 93 até 110

Virna Luci Cangussú, Viviane Rabelo, André Carlos de Freitas, Robson G, Mendonça, Sérgio Wendell, Luis Rogério Duarte

Introdução: o sucesso do tratamento com implantes osseointegrados em pacientes periodontalmente saudáveis tem sido bem documentado em numerosos estudos longitudinais nos últimos anos. Entretanto, a possibilidade de aplicar esses resultados positivos aos pacientes com doenças ou alterações periodontais permanece desconhecida. Objetivo: o objetivo desta revisão de literatura foi discutir, baseado em evidências científicas, sobre cinco sinais ou sequelas da doença periodontal que possam afetar o prognóstico dos implantes osseointegrados, com o objetivo de verificar se a doença periodontal é um fator de risco para a osseointegração, após longos períodos de observação. Métodos: os cinco sinais ou sequelas da doença periodontal discutidos nessa revisão são: (1) Presença de bolsa periodontal em unidades dentárias próximas a sítios com implantes; (2) Periodontite agressiva; (3) Implantes imediatos em sítios periodontalmente infectados; (4) Defeitos em rebordo ósseo; (5) Ausência de mucosa queratinizada. Conclusão: o conhecimento de sinais e sequelas da doença periodontal conduz o implantodontista a planejar de forma cautelosa a reabilitação com implantes osseointegrados.