Estudo piloto sobre a previsibilidade de recobrimento radicular de recessões gengivais classe III de Milller

Por Administrador

Edição V04N02 | Ano 2010 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 93 até 102

Flávia sukekava, Cléverson Oliveira Silva, Maurício G, Araújo

O objetivo do presente estudo foi avaliar o grau de recobrimento radicular de recessões classe III de Miller obtido após a realização de reposicionamento coronal do retalho associado a enxerto de tecido conjuntivo subepitelial. Vinte pacientes foram incluídos no estudo, cada um oferecendo uma recessão gengival. Esses indivíduos preencheram os seguintes critérios de inclusão: (a) recessões gengivais únicas ou múltiplas classificadas como classe III de Miller; (b) ausência de comprometimento sistêmico ou uso de medicamentos que os impedisse de sofrer qualquer intervenção cirúrgica; (c) ausência de sinais clínicos de inflamação gengival; (d) perda de inserção interproximal < 4mm; (e) ausência de lesão de cárie radicular. Imediatamente antes do procedimento de recobrimento radicular, o tamanho da recessão gengival foi avaliado com auxílio de uma sonda milimetrada. Um ano após o procedimento de recobrimento radicular, as áreas operadas foram reexaminadas. Os exames clínicos indicaram que havia ausência de supuração, sangramento gengival, sensibilidade e profundidade de sondagem > 3 mm. A altura média inicial da recessão era de 4mm e, ao final de um ano de acompanhamento, era de 1,2mm. A porcentagem média de recobrimento da distância da junção cemento-esmalte à margem gengival foi de 69% ao final do estudo. O retalho posicionado coronalmente associado ao enxerto de tecido conjuntivo parece ser uma técnica adequada para recobrir parcialmente recessões gengivais classe III de Miller.