Reosseointegração: é um objetivo viável?

Por Administrador

Edição V04N02 | Ano 2010 | Editorial Artigo de Revisão | Páginas 39 até 49

Cristiane Ibanhes Polo, Luciano de Lima, Marcelo Rial Dias, Ilan Weinfeld, Wilson Roberto Sendyk

A peri-implantite é uma doença de origem bacteriana que atinge tardiamente um implante após uma osseointegração bem-sucedida. Suas consequências são a destruição óssea, perda de inserção, sangramento e alterações dos tecidos moles adjacentes ao implante afetado, podendo, em casos avançados, gerar a perda parcial ou total da osseointegração. Sendo assim, a reosseointegração é o objetivo final de todo e qualquer tratamento de peri-implantite. A proposta deste trabalho foi revisar, na literatura, estudos com opções de tratamento que possibilitem a sua obtenção, estabelecida clinicamente e comprovada por evidências científicas. O levantamento da literatura foi realizado manualmente e através da base de dados Medline, compreendendo o período de 1990 a 2009. O tratamento ideal poderia ser dividido em três etapas: eliminação das causas, restauração das condições anatômicas perdidas e manutenção da saúde dos tecidos peri-implantares, permitindo a longevidade do implante em função. Analisando os estudos in vitro e em animais, concluiu-se que é possível a obtenção da reosseointegração em implantes previamente contaminados. Quanto aos estudos em humanos, embora alguns mostrassem remissão dos sinais clínicos e aumento ósseo observado clínica e radiograficamente, o processo de reosseointegração não pôde ser comprovado, devido à impossibilidade de realização de estudos histológicos.