Avaliação das práticas e atitudes do cirurgião-dentista no controle do uso de tabaco pelos pacientes

Por Administrador

Edição V04N01 | Ano 2010 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 79 até 89

Gislaine Cazavechia, Fabiano Carlos Marson, Cléverson O. Silva

O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento e as atitudes dos cirurgiões-dentistas em relação aos métodos de aconselhamento para que os pacientes deixem de fumar. Para tanto, foi distribuído um questionário a 70 cirurgiões-dentistas na região de Maringá/PR, contemplando, entre outras questões, os métodos aplicados no aconselhamento de pacientes fumantes e a receptividade dos mesmos a tal intervenção. Ao todo, 40 profissionais retornaram o questionário. Os resultados mostraram que a maioria dos profissionais demonstra grande interesse pela relação do tabaco com os problemas bucais (65%), acha possível inserir a abordagem e tratamento dos fumantes na rotina de atendimento (60%), conhece algum método de intervenção para ajudar na cessação do hábito (55%) e promove intervenção (32,5%). Porém, o resultado dessa intervenção é mínimo, pois a maior parte dos pacientes não demonstra interesse nas orientações e tem pouca intenção em parar de fumar (57,5%), fazendo com que a maioria dos profissionais considere baixo o índice de sucesso das intervenções (45%). Sendo assim, dentro dos limites do presente estudo, pode-se concluir que o número de cirurgiões-dentistas que não intervêm ainda é grande e a intervenção, quando feita, fica mais voltada a perguntas e aconselhamentos sobre o hábito, ficando relegados a segundo plano o acompanhamento mais intenso e direcionado do paciente fumante, bem como o aconselhamento de métodos alternativos para se deixar de fumar como, por exemplo, a terapia de reposição de nicotina.