Comportamento biomecânico de uma prótese fixa implantodentossuportada utilizando implantes curtos

Por Administrador

Edição V03N04 | Ano 2009 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 91 até 100

Marcos Daniel S, Lanza, Wellington Márcio dos Santos Rocha, Lincoln Dias Lanza, Eduardo Souza Lemos, Marcos Dias Lanza

Os implantes osseointegrados utilizados para reabilitação do edentulismo total mostram um elevado grau de previsibilidade terapêutica. Entretanto, surgiu a necessidade de extrapolar as alternativas de tratamento com implantes para pacientes parcialmente edêntulos. Diante disso, vários estudos têm sido direcionados para avaliar a possibilidade de unir tais implantes a dentes naturais, visto que o comportamento biomecânico dessas duas estruturas apresenta peculiaridades distintas. Utilizando-se o método de elementos finitos (MEF), foram construídos dois modelos para simulação do comportamento mecânico de uma prótese fixa de união rígida entre o dente natural e o implante osseointegrado de 6,0mm, variando a quantidade de implantes envolvidos. Na análise quantitativa, pôde-se observar que, na prótese com um implante, a máxima tensão SEQV foi de 49,73MPa; enquanto, para a prótese com dois implantes, a máxima tensão SEQV foi de 28,96MPa. A análise dos resultados permitiu concluir que a colocação de um implante adicional promove uma maior ancoragem ao conjunto protético, porém, a utilização de implante reduzido unido ao dente natural favorecerá uma mobilidade do órgão dentário.