O uso da prototipagem para planejamento de implantes zigomáticos em maxila atrófica

Por Administrador

Edição V03N03 | Ano 2009 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 62 até 70

Aline Franco Siqueira, Hiron Andreaza da Cunha, Armando Rodrigues Lopes Pereira Neto, Daniel Romeu Benchimol de Resende, Hugo Nary Filho, César Augusto Magalhães Benfatti, Ricardo de Souza Magini

Um dos maiores desafios da Implantodontia e da Odontologia Reabilitadora atual é encontrado quando da presença de maxilas atróficas. Para resolução dessa situação clínica, comumente eram utilizadas técnicas de reconstrução óssea baseadas em transplantes ósseos (enxertos onlay; levantamento de seio maxilar). Entretanto, a morbidade cirúrgica e o tempo de tratamento dessa técnica provocam desconfianças e, algumas vezes, desistências por parte dos pacientes. Com a introdução de técnicas extramaxilares de ancoragem (ex. implantes zigomáticos), a morbidade e o tempo de tratamento diminuíram consideravelmente, já que a função imediata é comumente empregada. Devido ao sucesso e à previsibilidade dessas técnicas de ancoragem, surgiu a necessidade de técnicas de planejamento mais precisas, que diminuíssem ou até mesmo eliminassem o risco de intercorrências. Neste artigo, apresentaremos um caso clínico de técnica de ancoragem zigomática no qual foi utilizado o planejamento virtual associado a um protótipo na reabilitação de uma maxila atrófica, obtendo-se sucesso.