Neoformação óssea em seios maxilares de macacos elevados e enxertados com hidroxiapatita e plasma rico em plaquetas

Por Administrador

Edição V01N02 | Ano 2007 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 70 até 83

Nelson Caetano de Araújo Filho,, Eduardo Jorge Feres Filho, Flávia Sukekava, Maurício Guimarães Araújo, Ângela Estallote, Maria Eugenia Leite Duarte, Mário Fiorani Jr, , Maria Letícia Bucchianeri

Os objetivos deste estudo foram examinar o efeito do plasma enriquecido com plaquetas (PRP) sobre a propriedade osteocondutora de uma hidroxiapatita reabsorvível (HA) e testar a presença do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) nesse PRP. O modelo experimental, composto de 4 macacos Prego (Cebus apella), incluiu a elevação bilateral dos seios maxilares, que eram, em seguida, enxertados com uma mistura de PRP + HA (lado teste) ou somente HA (lado controle). Quantificação do PDGF-AB presente em amostras de PRP e plasma total foi realizada com kit comercial de ELISA. Biópsias realizadas aos 3 e 6 meses foram submetidas à técnica histológica para estudo de tecido ósseo não descalcificado. Os espécimes histológicos foram analisados de maneira descritiva e semiquantitativa. Os resultados do teste de ELISA indicaram que: PDGF-AB estava presente em quantidade 2,5 a 3,3 maior no PRP em relação ao plasma total de metade das amostras, enquanto nas duas outras a quantidade do fator de crescimento presente no PRP foi de 20 a 30% menor do que no plasma total. A análise histológica evidenciou uma maior formação média de osso lamelar maduro no grupo teste, tanto aos 3 como aos 6 meses. Da mesma forma, a neoformação vascular foi maior no grupo teste, aos 3 meses. Além disso, a atividade osteoblástica é maior aos 6 meses no grupo teste. Conclui-se que, dentro desse estudo, o PRP melhorou a propriedade osteocondutora da HA e que o PDGF-AB presente no PRP pareceu sofrer alterações relacionadas ao animal analisado ou técnica laboratorial empregada.