APOIO INSTITUCIONAL

Cobertura hidrófoba de PMMA de uso odontológico

Edição V15N2  |  Ano 2018  |  Categoria: Artigo Original  |  Página 148 até 157

Autores

Camila Gonçalves Duarte, Marina da Rosa Kaizer, Lisia Lorea Valente, Giana da Silveira Lima, Rafael R, Moraes

Resumo

Introdução: o propósito do presente estudo foi preparar e aplicar soluções de cobertura antiaderente para substratos protéticos à base de polimetacrilato de metila (PMMA). Foram confeccionados discos de PMMA termopolimerizável para micro-ondas (diâmetro 10mm × espessura 2mm). Métodos: duas soluções hidrófobas foram utilizadas para o recobrimento: SH1 = 2,5 vol% de hexadecil-trietóxi-silano em etanol; e SH2 = 2,5 vol% de perfluorodecil-trietóxi- silano diluído em dimetilsulfóxido. Os discos de PMMA foram divididos em três grupos, de acordo com o tratamento da superfície: controle (sem cobertura), SH1 e SH2, sendo todos os grupos subdivididos em espécimes jateados (J) e não jateados (NJ). Além desses, um subgrupo adicional foi inserido como referência, no qual espécimes jateados foram recobertos por solução de silano convencional (2,5 vol% de metacriloxipropil-trimetóxi-silano) diluído em dimetilsulfóxido. Cada subgrupo (n = 5) foi submetido à avaliação do ângulo de contato ( , em graus) com a água destilada e à avaliação da rugosidade de superfície (Ra, em m). Dados do ângulo de contato foram submetidos à análise de variância (ANOVA) de duas vias e teste de SNK (cobertura×tratamento). Ainda, os grupos jateados (controle, SH1, SH2 e silano convencional) foram submetidos à ANOVA de uma via e teste SNK. Dados de rugosidade antes e após jateamento foram comparados pelo teste t de Student pareado ( = 0,05). Resultados: as médias ± desvio-padrão apresentadas para o foram: C-J = 88,7 ± 9,3o; C-NJ = 61,1 ± 5,2o; SH1-J = 114,7 ± 3,3o; SH1-NJ = 95,2 ± 6,8o; SH2-J = 106,9 ± 2,6o; SH2-NJ = 106,4 ± 4,2o; SS-J = 89,4 ± 4,3o. A avaliação da rugosidade demonstrou Ra_antes = 0,80 ± 0,04 m e Ra_depois = 1,78 ± 0,11 m. O tipo de tratamento (jateamento ou não) foi dependente do tipo de solução utilizada (p < 0,001). Os espécimes jateados mostraram maior do que os não jateados (p < 0,001). As soluções hidrófobas de cobertura aumentaram de com a água. Conclusão: a avaliação da rugosidade superficial e do ângulo de contato dos espécimes revelou que os tratamentos de superfície testados, com jateamento e aplicação das coberturas hidrófobas, apresentaram efeito sinérgico no aumento dos valores do ângulo de contato, sugerindo uma superfície menos propicia ao molhamento.

Palavras-chave

Como citar

Duarte CG, Kaizer MR, Valente LL, Lima GS, Moraes RR. Hydrophobic coating of dental PMMA. J Clin Dent Res. 2018 May-Aug;15(2):148-57. DOI: https://doi.org/10.14436/2447-911x.15.2.148-157.oar

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on print

Artigos relacionados: