Edit Content
Click on the Edit Content button to edit/add the content.

EDIÇÃO: V14N1

Estudo retrospectivo observacional do índice de sobrevivência de implantes de superfície SLActive®
Volume 14 | Número 1 | Jan / Mar 2017

Edição completa disponível nas plataformas:

Todos os artigos

Estudo retrospectivo observacional do índice de sobrevivência de implantes de superfície SLActive®

Introdução: os implantes dentários ocupam papel de destaque na reabilitação de indivíduos edêntulos, apresentando resultados clínicos satisfatórios e previsíveis, especialmente em relação à sua sobrevivência ao longo do tempo. A necessidade de elevados índices de sucesso e sobrevivência, mesmo em situações de baixa quantidade e qualidade óssea, associada à crescente demanda estética e velocidade de resolução dos casos, permitiu o desenvolvimento de superfícies que proporcionam osseointegração mais rápida. Objetivo: verificar o índice de sobrevivência de implantes de superfícies SLActive®. Métodos: realizou-se estudo retrospectivo observacional, por meio da análise dos dados registrados em prontuários de 17 indivíduos que receberam implantes de superfície SLActive®. Considerou-se sobrevivente o implante registrado como estável, assintomático e em função. Resultados: após observar os dados de 40 implantes SLActive®, instalados em 17 indivíduos, com diferentes planejamentos protéticos (próteses unitária, fixa parcial e fixa total), verificou-se índice de sobrevivência de 100%, nos períodos de controle realizados. O período controle médio foi de 46,6 meses para os implantes instalados. Conclusão: a superfície SLActive® mostrou elevado índice de sobrevivência dos implantes, apresentando-se como excelente possibilidade para tratamento reabilitador na prática odontológica diária.

Leia mais...

Tratamento de discromia gengival causada por melanose racial, realizado por meio de despigmentação com dermoabrasão: relato de caso comparativo de duas técnicas

A pigmentação gengival é resultante da produção excessiva de melanina pelos melanócitos situados na camada basal do epitélio. São manchas escuras localizadas na mucosa mastigatória, mais comumente na gengiva inserida e livre, causadas por diferentes etiologias. Esse aspecto da gengiva não é um problema de saúde; contudo, muitos pacientes sentem-se incomodados com a aparência escurecida da gengiva durante o sorriso. Em relação à terapia cirúrgica periodontal indicada para amenizar o aspecto escurecido da gengiva, pode-se ressaltar aquelas que utilizam lâminas de bisturi, brocas esféricas com pontas diamantadas, criocirurgia, eletrocirurgia, lasers e enxertos gengivais livres com epitélio autógeno. O presente trabalho tem por objetivo descrever um caso clínico em que a pigmentação melânica gengival da paciente foi tratada utilizando-se brocas diamantadas e bisturis. Também será descrito um procedimento de cirurgia plástica periodontal para corrigir ou amenizar a quantidade de pigmentação melânica gengival aparente nas arcadas superior e inferior da paciente. Após o procedimento cirúrgico realizado com sucesso, conclui-se, pelo grau de satisfação da paciente, que a técnica selecionada se destaca por oferecer excelentes resultados e por ser de fácil execução.

Leia mais...

TiBrush® uma alternativa na descontaminação da superfície do implante: caso clínico

Doenças peri-implantares são lesões inflamatórias que se desenvolvem em torno dos tecidos que circundam os implantes dentários osseointegrados e possuem duas manifestações distintas: mucosite peri-implantar (uma reação inflamatória reversível, que afeta apenas os tecidos moles que rodeiam o implante em função) e peri-implantite (uma reação inflamatória associada à perda do osso de suporte em torno do implante em função). A elevada incidência da peri-implantite (28 a 56% dos pacientes, em 12 a 43% dos locais de implante) leva a uma preocupação crescente em se obter um protocolo de tratamento que promova a resolução dessa patologia. Muitos tratamentos diferentes encontram-se descritos na literatura, mas, apesar de algumas intervenções poderem ser eficazes, o nível de evidência é ainda limitado. O presente caso clínico ilustra uma opção de tratamento para um caso de peri-implantite: descontaminação da superfície do implante com o dispositivo TiBrush® e regeneração óssea guiada. Após 24 meses, a paciente não apresentava sinais clínicos de doença e foi possível observar, na radiografia, a presença de osso em torno do implante.

Leia mais...

Expansão maxilar em duas etapas usando barreira de polipropileno: relato de caso

A perda óssea após a extração dentária é inevitável. Devido a diversos fatores relacionados à reabsorção e remodelação óssea, o rebordo vai passar por diferentes mudanças em sua arquitetura horizontal e vertical, até levar a um estado de atrofia — o qual é um desafio não só para a Implantodontia, mas também para a Prótese e Estética. Como alternativa para restabelecer a anatomia natural de uma maxila com atrofia na região dos dentes #11 e #12, em uma paciente com 23 anos de idade, do sexo feminino, realizou-se uma cirurgia em duas etapas. Na primeira etapa cirúrgica, foi feito um retalho por vestibular e uma perfuração em ‘U’, até se atingir a medula óssea; em seguida, realizou-se a sutura. Após 28 dias, foi aberto um novo retalho, mas somente no rebordo, sem rebater o periósteo — a fim de realizar a expansão das tábuas ósseas vestibular e palatina. Procedeu-se à instalação simultânea de dois implantes Cone Morse, recobertos com barreira de polipropileno, e fechou-se a incisão com sutura sem tensão. A barreira foi retirada após 15 dias, quando observou-se um tecido de granulação, o qual foi preservado por quatro meses. O resultado planejado foi obtido após o tempo de recuperação, no qual a paciente foi avaliada, clínica e tomograficamente. Pode-se concluir que a barreira usada serviu como arcabouço para a neoformação óssea e suporte aos implantes instalados, melhorando a estética tridimensional da região anterossuperior direita da paciente.

Leia mais...

Abordagem multidisciplinar para reabilitação estética do sorriso com laminados cerâmicos minimamente invasivos

Os laminados cerâmicos minimamente invasivos destacam-se como opção de tratamento para a reabilitação estética do sorriso, por proporcionarem maior conservação de estrutura sadia e por mimetizarem as estruturas dentárias. A associação de técnicas periodontais cirúrgicas e o planejamento reverso permitem aprimorar o resultado estético almejado. O desenvolvimento de novos sistemas cerâmicos reforçados por dissilicato de lítio e dos cimentos resinosos favoreceu o aumento da longevidade e a performance clínica das restaurações estéticas indiretas. O presente trabalho tem por objetivo apresentar um relato de caso clínico de reabilitação estética do sorriso, descrevendo o planejamento, clareamento, cirurgia de aumento de coroa clínica, preparos minimamente invasivos, moldagem e cimentação dos laminados cerâmicos reforçados com dissilicato de lítio, visando sucesso no tratamento e satisfação do paciente.

Leia mais...

A importância do planejamento multidisciplinar em casos de uso de cerâmicas com pouco ou nenhum desgaste em área estética: relato de caso clínico

O uso de cerâmicas chamadas “lentes de contato”, ou sem preparos, cresceu muito no últimos anos na prática clínica. Apesar de parecer a melhor escolha de tratamento, em muitos casos essa conduta de tratamento não é viável. A simplificação do termo, muitas vezes, leva o clínico e o paciente a escolhas erradas. O objetivo deste artigo é discutir o conceito de lentes de contato e os desafios do diagnóstico, da indicação até sua finalização, visando proporcionar um tratamento com previsibilidade e longevidade com o uso de cerâmicas à base de dissilicato de lítio.

Leia mais...

Planejamento estético e tratamento multidisciplinar em macrodontias no segmento anterior: estudo de caso

A presença de macrodontia no segmento anterossuperior impõe um desequilíbrio significativo na harmonia do sorriso, afetando proporções dentárias, simetria e arranjo dos dentes, devido a uma diferença entre o espaço necessário e o disponível. O presente artigo tem como objetivo descrever o planejamento, sequência e execução do tratamento para resolver um caso de macrodontia do dente #11 em um paciente pediátrico, mediante uma abordagem multidisciplinar e conservadora.

Leia mais...

O momento da transição das resinas compostas para os laminados cerâmicos e as “lentes de contato”

A filosofia de trabalho é um dos instrumentos mais importantes no dia a dia de qualquer profissional da Odontologia. Ela advém de nossa formação e experiência profissional ao longo dos anos. Um dos temas mais discutidos na atualidade é quando escolher entre resina composta e cerâmica, como já discutido anteriormente neste mesmo espaço1. Outro ponto questionável e que gera dúvida entre os clínicos é em que momento devemos transitar um caso de resina composta para uma reabilitação cerâmica por meio de laminados. Vamos utilizar um caso clínico para exemplificar a nossa visão de trabalho, indo desde a escolha da resina composta até a decisão de convertê-la em restaurações cerâmicas. Acredito que esse caso representa um pouco da nossa filosofia de trabalho, em que sempre procuramos optar pela melhor alternativa restauradora no momento adequado. A descrição é baseada em um caso interessante de um procedimento estético em uma mulher jovem com 27 anos de idade, na qual transitamos de um trabalho em resina composta, realizado há 11 atrás, para as “lentes” cerâmicas, em 2016.

Leia mais...

Controlando a opacidade e translucidez em facetas de resina composta de dentes escurecidos

Observa-se que a procura por tratamentos odontológicos não se limita a situações dolorosas ou reabilitações protéticas extensas. O restabelecimento da forma, função e a discrepância de cor nas dentições são queixas principais de muitos pacientes que buscam os consultórios odontológicos com a intenção de melhorar a estética do sorriso. A fratura de restaurações antigas, associada ao escurecimento dentário, pode ser causada por diversas situações e existem várias formas de resolução clínica, sendo a faceta com resina composta uma modalidade previsível, segura e de custo acessível. No presente artigo, será relatado um caso clínico e demonstrados os passos para a confecção de uma faceta direta em dente escuro, tratado endodonticamente, com enfoque principal no controle da opacidade e translucidez do sistema restaurador.

Leia mais...

Veja as últimas edições:

EDIÇÃO – V19N1

Volume 19 | Número 1 | Jan / Abr 2022

EDIÇÃO – V19N2

Volume 19 | Número 2 | Mai / Ago 2022

EDIÇÃO – V19N3

Volume 19 | Número 3 | Set / Dez 2022

Publicação Oficial

Empresas Apoiadoras

Publicação Oficial

Empresas Apoiadoras