Edit Content
Click on the Edit Content button to edit/add the content.

EDIÇÃO: V05N2

Restabelecimento de guia canina com resina composta
Volume 05 | Número 2 | Abr / Jun 2008

Edição completa disponível nas plataformas:

Todos os artigos

Restabelecimento de guia canina com resina composta

Proprioceptores periodontais nas raízes dos caninos apresentam a capacidade de diminuir a resposta dos músculos elevadores da mandíbula, aumentando, desta forma, a importância de preservar e restabelecer a guia canina nos tratamentos funcionais e estéticos. A ausência da guia canina poderá acarretar aumento da atividade muscular e desgastes fisiológicos precoces nos dentes vizinhos. Este artigo apresenta a reconstrução da ponta da cúspide do canino superior esquerdo com resina composta, com o objetivo de devolver a guia canina.

Leia mais...

Metamorfose cálcica da polpa versus “Calcificações distróficas da polpa”

O termo “Metamorfose Cálcica da Polpa” cada vez mais está sendo utilizado, com maior freqüência, para identificar casos de obliteração pulpar. Até pouco tempo atrás, o termo “obliteração pulpar” identificava as situações clínicas em que o dente apresentava-se com velamento e fechamento total do espaço pulpar coronário e ou radicular, sem qualquer vestígio de suas paredes laterais, mesmo quando várias radiografias periapicais e interproximais eram obtidas.

Leia mais...

Influência do solvente dos sistemas adesivos e do vácuo na resistência à microtração em esmalte pós-clareação

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da composição do sistema adesivo e do vácuo na resistência à microtração ao esmalte bovino pós-clareação. Trinta e dois incisivos bovinos tiveram suas coroas seccionadas longitudinalmente em duas metades, uma (teste) foi clareada (Whiteness HP 35%, FGM) e a outra (controle) não. Os dentes foram distribuídos em 4 grupos (n = 8). Os grupos 1 e 3 foram tratados em vácuo por uma hora e os grupos 2 e 4 não. Nos grupos 1 e 2 foi aplicado o adesivo Single Bond 2 (3M ESPE), e nos grupos 3 e 4 o Prime & Bond 2.1 (Dentsply), sendo todos recobertos com a resina TPH (Dentsply). As interfaces compósito/esmalte foram seccionadas para se obter “palitos” com área de ±0,8mm2, que foram submetidos ao teste de microtração (0,6mm/min). Os valores obtidos foram submetidos à ANOVA de três entradas (vácuo ou não, clareação ou não e adesivo Single Bond 2 ou Prime & Bond 2.1). Os fatores adesivo (p = 0,925) (Prime & Bond 2.1 = 31,86 ± 7,54; Single Bond 2 = 32,03 ± 6,78) e vácuo (p = 0,568) (com = 31,42 ± 6,82; sem = 32,47 ± 7,49) não foram estatisticamente significativos, sendo o fator clareação significativo (p menor que 0,001) (com = 26,45 ± 6,13; sem = 37,45 ± 8,19), mas as interações não. Conclui-se que, de uma maneira geral, os sistemas adesivos testados apresentaram a mesma resistência adesiva; que a clareação diminuiu a resistência adesiva para ambos os sistemas adesivos, independente de seus solventes; e que a utilização ou não de vácuo não afetou a resistência adesiva.

Leia mais...

Considerações sobre o planejamento e confecção de facetas diretas em resina composta

A realização de facetas vestibulares diretas em resina composta tem sido uma alternativa rotineiramente utilizada na clínica odontológica quando há necessidade de restaurar dentes anteriores com alteração de cor ou forma anatômica. Além de representarem um recurso valioso dentro da Odontologia Estética, uma vez que requerem um preparo conservador, apresentam menor custo quando comparadas às técnicas indiretas, estando, assim, ao alcance de todos os profissionais da área odontológica. A realização de uma faceta direta em resina composta requer do profissional que pretende executá-la o conhecimento das propriedades mecânicas e ópticas dos compósitos, bem como das técnicas restauradoras atualmente disponíveis. Além disso, é fundamental que se tenha habilidade manual e familiaridade com os detalhes anatômicos específicos da superfície vestibular dos dentes anteriores, a fim de que eles possam ser reproduzidos com naturalidade na restauração. O objetivo do presente trabalho é discutir aspectos importantes no planejamento, bem como na técnica de preparo e confecção, das facetas diretas em resina composta, procurando orientar o clínico na decisão e realização dessa modalidade de tratamento restaurador.

Leia mais...

Estética e resistência nas restaurações anteriores

A utilização de um checklist estético, para um adequado controle do desenvolvimento e avaliação estética, é uma importante ferramenta de comunicação, tanto para o protesista como para o técnico dental. Através de uma preparação dentária, moldagem e coroas provisórias de alta qualidade, é possível prever o resultado final do trabalho a ser reabilitado. A utilização dos sistemas Cad/Cam na produção das infra-estruturas personalizadas para as restaurações unitárias de Alumina vai contribuir, juntamente com os materiais cerâmicos de revestimento, para uma combinação natural da estética e função.

Leia mais...

Adesivos autocondicionantes: uma realidade clínica

No estudo da evolução dos sistemas adesivos autocondicionantes, observa-se que os avanços mais significativos foram obtidos a partir de 1994, com o desenvolvimento de adesivos à base de fenil-P, como monômero ácido. Os adesivos autocondicionantes podem ser classificados de acordo com a acidez do adesivo/monômero e os números de etapas clínicas para sua aplicação. Nessa técnica adesiva, não existe a remoção do ácido fosfórico com jatos de água e, portanto, nenhum controle de umidade pós-condicionamento ácido é necessário. Monômeros-ácidos derivados do ácido fosfórico e carboxílico são responsáveis pelo condicionamento e infiltração no esmalte e dentina. Outras vantagens podem ser obtidas, como a redução da sensibilidade pós-operatória e simplificação das etapas de aplicação do adesivo. Os adesivos de “dois passos”, que apresentam um primer-autocondicionante e aplicação de uma camada de resina hidrofóbica sobre a superfície tratada com o primer, têm sido considerados os melhores sistemas, quando comparados aos adesivos autocondicionantes de um passo clínico.

Leia mais...

Avaliação clínica da eficiência do uso do sistema LED-laser, LED e luz halógena na ativação do agente clareador em dentes vitalizados

O objetivo deste estudo foi avaliar, comparativamente, a efetividade de diferentes fontes de luz (halógena, LED e LED-laser) na ativação do peróxido de hidrogênio a 35%, usado na clareação de dentes vitalizados. Para isso, 24 voluntários foram divididos em 2 grupos independentes. Após a tomada da cor dos dentes com uma escala padronizada e realização de fotografias do terço inferior da face, os voluntários foram submetidos à técnica de clareação de consultório com peróxido de hidrogênio a 35%. No grupo 1, o hemi-arco superior direito foi fotoativado com um aparelho LED, enquanto o hemi-arco superior esquerdo foi fotoativado com um aparelho de luz halógena. No grupo 2, o gel clareador no hemi-arco superior direito foi fotoativado utilizando um aparelho LED-laser de diodo, e no hemi-arco superior esquerdo não foi realizada a ativação física do gel clareador. Após 2 sessões de tratamento, num controle pós-operatório, foi realizada a observação do branqueamento obtido, comparando-se os dentes superiores com os do arco inferior ainda não-clareado. Foram também observadas a sensibilidade trans e pós-operatória, a regressão – após 1 ano – do branqueamento obtido, bem como a satisfação dos pacientes quanto ao tratamento recebido. A análise comparativa dos resultados permitiu concluir que: no grupo 1, as duas fontes testadas foram efetivas em proporcionar a clareação dentária na técnica de consultório, porém o sistema de luz LED proporcionou uma menor sensibilidade pós-operatória. No grupo 2, observou-se não haver diferença clínica de tonalidade de cor entre o hemi-arco ativado e o não-ativado com o sistema LED-laser, demonstrando que o gel clareador foi efetivo independente da ativação com uma fonte de luz.

Leia mais...

Otimização da estética com a Microscopia Operatória

Nos últimos 15 anos, a Odontologia Estética tem evoluído a passos largos no que diz respeito aos sistemas adesivos, resinas compostas, cerâmicas, conhecimento técnico e biológico. No entanto, o acompanhamento clínico em longo prazo mostra ainda muitas falhas, como infiltrações, deslocamentos de pinos, fraturas e resposta periodontal desfavorável ao tratamento restaurador. A acuidade visual, o tato e a experiência clínica são, aparentemente, indispensáveis para o sucesso clínico, mas na realidade trabalha-se sem enxergar adequadamente o campo de ação. A cavidade bucal é um campo restrito, no qual a luz do refletor não incide adequadamente sobre as pequenas estruturas, formando sombras. A acuidade visual do homem não é capaz de magnificar, visualizar e executar detalhes essenciais para a previsibilidade dos trabalhos estéticos. O microscópio operatório (MO) é um sistema de visualização que permite vários níveis de magnificação e iluminação. Ele proporciona ao cirurgião-dentista segurança nos diagnósticos, maior precisão e rapidez nos procedimentos, além de uma melhor ergonomia, biossegurança e documentação em vídeo ou fotografias. Este artigo tem como objetivo descrever as vantagens da Microscopia Operatória na Odontologia Estética e ilustrar, através de casos clínicos, pontos cruciais, nos quais o MO mostra-se como um importante instrumento auxiliar de magnificação e iluminação para a precisão e previsibilidade dos trabalhos estéticos.

Leia mais...

Reabilitação de dentes tratados endodonticamente com pinos anatômicos indiretos de fibra de vidro

Os pinos de fibra de vidro são cada vez mais são utilizados como retentores intra-radiculares na reabilitação de dentes tratados endodonticamente. Quando se trata de canais amplos ou fragilizados, estes são, na maioria das vezes, a primeira escolha, devido ao módulo de elasticidade próximo da estrutura dentária. No entanto, canais amplos refletem em grande volume de cimento resinoso no interior do conduto, devido aos pinos de fibra de vidro serem, na maioria das vezes, pré-fabricados, e não estarem perfeitamente modelados no conduto radicular, podendo ocasionar falhas na cimentação. Neste caso clínico, será apresentada a técnica do pino de fibra de vidro anatômico, confeccionado indiretamente com o sistema Fibrex-Lab.

Leia mais...

Como ter sucesso em mercados altamente competitivos. Você pode identificar oportunidades nas crises, melhorando o seu resultado financeiro, a sua qualidade de vida e o seu prestígio na comunidade

Vamos imaginar uma situação que faz parte do cotidiano de um profissional de saúde: amanhã às 9 horas você tem uma consulta agendada no seu consultório ou clínica. Temos aqui três possibilidades: 1) Se o cliente faltar a esta consulta você terá resultado? Não! A conclusão que tiramos é que a presença do cliente é fundamental para a obtenção do resultado. 2) Se você não comparecer ao seu consultório ou clínica no horário agendado terá resultado? Também não! A conclusão que tiramos é que a sua presença também é fundamental para a obtenção do resultado. 3) Se você e o cliente se encontram no seu consultório ou clínica, mas não existe interação entre vocês, também não teremos resultado. A conclusão que tiramos é que a interação entre você e o cliente é essencial para a obtenção do resultado. Estas três possibilidades podem ser expressadas na equação da Inseparabilidade dos Serviços, onde tanto você quanto o cliente afetam o resultado final do serviço: Você + Cliente = Resultado.

Leia mais...

Veja as últimas edições:

EDIÇÃO – V19N1

Volume 19 | Número 1 | Jan / Abr 2022

EDIÇÃO – V19N2

Volume 19 | Número 2 | Mai / Ago 2022

EDIÇÃO – V19N3

Volume 19 | Número 3 | Set / Dez 2022

Publicação Oficial

Empresas Apoiadoras

Publicação Oficial

Empresas Apoiadoras